Qual a diferença deste modelo de negócio para o que já existe no ramo da comunicação? A principal é que somos transparentes, gentis, inclusivos e humanos. Buscamos resolver os desafios do cliente entendendo com profundidade o seu público e os seus objetivos.

7 de maio de 2015 / By

Há 3 anos,  nos reunimos na casa da um dos sócios, e, na varanda, decidimos que gostaríamos de empreender em um negócio que tivesse alma. Foi um papo super bicho grilo, que mais tarde se mostrou totalmente urbano, conectado e contemporâneo.

Definimos 4 pilares que norteariam o nosso comportamento empresarial: Transparência, inclusão, gentileza e humanidade. Por terem características abstratas, ganhavam potência e flexibilidade para serem usadas de muitas forma no nosso segmento, tão pouco generoso e egóico.

Surgiu a MudaDeAres.

Um nome que falava para nós o que desejávamos para o mundo.

Daí pra frente, dentro do processo natural de qualquer começo, esboçamos as estratégias empresariais:  business plan, investimento, estrutura, equipe curso de especialização e gestão.  Entendemos e aprofundamos conceitos sobre economia colaborativa, design thinking, meditação, alimentação saudável, co-working e co-creation, crowdfunding, copyleft e mais uma centena de termos em outras línguas que nos explicavam que um novo mundo estava sendo construído por pessoas muito jovens, sensíveis e interessantes.

A filosofia estava bem amarrada, mas operacionalmente caminhávamos sob as égides do velho mundo. Ainda desenvolvíamos aquela comunicação old fashion, buscando o sexy appeal de coisas sem graça, gratificando pessoas em troca de performance e catequizando os clientes de que a propaganda era a alma do negócio.

Depois de muito errar e acertar, criamos um modelo de negócio e gestão que juntou empresas ligadas ao mundo da comunicação num mesmo espaço físico e que colaboram operacional e comercialmente entre si. Pautadas nos preceitos de Paul Baran, criamos o primeiro Grupo Independente de Comunicação do Brasil. Sem deter o capital das empresas parceiras, nos comportamos como grupo com a finalidade de atender o cliente da concepção da sua marca até o contato com o consumidor final.

Qual a diferença deste modelo de negócio para o que já existe no ramo da comunicação? A principal é que somos transparentes, gentis, inclusivos e humanos. Buscamos resolver os desafios do cliente entendendo com profundidade o seu público e os seus objetivos. Internamente nossos números estão abertos, a  gestão é horizontalizada, temos rígidas regras de compliance, meditamos pela manhã e bebemos cerveja no final do dia.

Mas isso ainda é bem bicho grilo, certo? Sim, mas totalmente urbano, conectado e contemporâneo.  Em 3 anos o Grupo operou R$ 7 milhões em negócios fechados, criamos 30 empregos diretos, 120 indiretos e operamos com mais de 100 fornecedores de diversas áreas. Desenvolvemos 220 projetos para 85 clientes.  Crescemos 20% em relação ao ano anterior e projetamos crescer 15% ao ano.

Sobretudo, entendemos, com bastante coragem, que a propaganda não é mais a alma do negócio. A sociedade muda constantemente de ares e este paradigma que norteou a publicidade por anos não cabe mais (pelo menos para nós). Hoje, a alma do negócio é a propaganda. Esse é o centro nervoso do que entregamos para o mundo e trabalhamos, desde o dia que nos reunimos naquela varanda, na ideia de trazer mais alma àquilo que fazemos.

 

O dia que quiser, vem tomar um café com a gente.

Será um prazer.

2 Comentários


  1. GABRIELE

    22 de março de 2018 / Responder

    Achei absurdamente bacana o propósito de vocês, o visual do site e a capacidade de conectar pessoalmente com a gente mesmo através da tecnologia. Estou fazendo um curso chamado "consultório na pratica" com a fundadoras da NEX2U e foram elas que nos falaram sobre a Muda. Um dos meus propósitos como psicóloga e como ser humano é fazer com que as pessoas se apaixonem por suas vidas, precisamos ser protagonistas de nossas vidas. Gostaria de parabenizar a empresa e quem sabe aceitar o convite para tomar um café. Não estão precisando de uma psicóloga no time?

  2. Renato Marques

    26 de junho de 2018 / Responder

    Olha, quero chegar mais perto pra conhecer melhor, mas pelo primeiro contato que tive, já dá pra dizer que vocês criaram algo que dá vontade de fazer parte! :)
    Seja como parceiro, fornecedor ou só amigo mesmo! rs
    Em breve vou aceitar o convite pra tomar um café ou cerveja no fim do expediente.


Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado

Deixe uma resposta